quinta-feira, agosto 25, 2005

Rita

Rita arrancou-me o coração do peito. Simplesmente abordou-me numa rua esconça e pediu se lhe podia emprestar o coração. Explicou-me que o seu batia em compassos irregulares, por vezes tão acelerados que era difícil acompanhar com o pensamento. Em poucas palavras apelou ao transplante a frio sem anti sépticos nem anestesia e deixou bem claro que não teria como pagar-me o favor. Fez apenas uso da sua voz doce e encostando os seus lábios aos meus, deitou neles um segredo que me adormeceu.

Pelo menos é assim que recordo o momento de cada vez que passo naquela rua e me recordo que houve dias em que Rita esteve por lá.
p

4 Comments:

At 11:18 da tarde, Blogger Conchita said...

é caso pra pedir juros lol

 
At 1:25 da tarde, Anonymous Tati said...

eu queria mais, e o depois? ficamos pelo sonho?

 
At 1:28 da tarde, Anonymous paulo said...

Há pouco espaço para o sonho quando nos roubam o coração.

 
At 12:40 da manhã, Blogger Alexandra said...

Verdade Paulo...verdade

 

Enviar um comentário

<< Home